20.8.17

"para amigos que me amam"






é um pouco preocupante
que se esteja velho o suficiente
para que o mundo não seja
jamais liderado por dragões
ventríloquos – só de imaginar
já me sinto um otário pleno
e meus amigos que mais amo
e que são dragões com estirpe
também arregalam os olhos
apesar de toda habilidade
em pensar que já estamos
juntos mas o quanto mais
amo nessa esfera morreria
como amante inglês deslocado
que mente sobre malcolm lowry.

todos sabemos do que estamos
falando quando damos as mãos.

isso é lindo o sorriso que estanca
como tudo seja patético levemos
seriamente nossa violência ímpar
sem vergonha naquilo que range.

como nossa amizade é comprida
e que companhia pode entrar aí
nesse buraco que dizes é belo?

são as tias das antigas sungas
quando eras gordo e todo teu
excremento era teu orgulho.

existe essa coisa muito louca
que é nos amarmos sem mérito.

és companhia e não sabes mais
que diabos farás com os lábios
para ser essa coisa terna labial
e como empresa de outras leis
pessoas como nós e que dizem
cuidado com a rua você pode
morrer assim estamos juntos.

cheguei em casa os gatos não
comem como se me amassem.

existe algo grave que termina
terrível destino dos meus pés
como alguém sério anti-crime
e tal o susto da falta de balões.

ao mesmo tempo alguém ruim
para ser amado ajudado anulado
algo que seria vitória para quem
não ama e mostra como se vive
algo que um coitado diga é belo.

somos os coitados e adoramos
o amor que não se colhe fino
mas se diz marotamente ajudo.

colhe-se grosso no medo temo
perder o estilo a fome rude sim
da barriga cheia sem entender
que não se leva nada senão
o ódio de si mesmo ao ponto
de amar-se como uma loucura
e pedirmos tolos a quem se ama
que não envelheça fora de nós.

os coitados sem ação plena                           
que não voltem assim sós
para casa é perigoso é frio
mas o calor é a maior idéia
do mundo em pleno inverno.

a estupidez o amor a falha veja
é a coisa mais bonita e temos
calos o suficiente para dizer:
sacolas na mão não reclame.

5.8.17

"minha fase melodia"



houve uma época sinistra
em que eu não fazia outra coisa
senão ouvir pérola negra.

eu sabia que o luiz melodia
era muito louco e todo mundo tinha
uma história sobre ele ou com ele.

meu pai me contou algumas
que eu não me lembro mais.

mas ele fazia coisas impensáveis
como expulsar a banda toda
e gravar os instrumentos sozinho.

são muitas as terríveis anedotas
sobre as grandes lendas do tempo.

aliás, havia o fato de que na vida
as coisas iam pouco favoráveis –
eu ainda não sabia que seria assim
e naquela época eu ainda andava
assobiando de olhos esbugalhados
quando escapava aos automóveis
enquanto estourava luiz melodia
nos meus ouvidos ainda virgens
e eu gritava de olhos fechados
beibe te amo, nem sei se te amo
e aquilo seria a vida até o fim.

por um ou dois meses talvez um ano
foi só o que fiz e isso não me salvou.

mas era importante virar a esquina
como se fosse alguém perto da morte.

enquanto eu ouvia pérola negra
era charmoso querer morrer de vez.

3.8.17

"quando você viaja"


para bichita

quando você viaja
por um ou dez dias
eu deixo de ler os vivos
eu perco o sonho na rua
violo a desgraça da vida.

quando você viaja
as coisas ficam todas
me olhando com raiva
eu me ressinto de falar
e nunca eu falo tanto
quanto quando você viaja.

no primeiro dia os gatos
se aproximam como padres
para uma extrema-unção
sem ti eles vivem porque
podem me cuidar
pobre de mim
a quem resta alisar
seus pelos pois que os gatos
eu sei são o elo da nossa loucura
nesse mundo de adultos.

mais à noite escarro tufos
inapeláveis porque você
entorta meus ponteiros
arromba meus instintos
e eu sei que a situação
é preocupante eu deveria
estar falando sobre
a experiência acachapante
de estar vivo num mundo
que enlouqueceu eu queria
fazer um poema sobre sermos
fortes e dignos apesar de tudo
enquanto ainda precisarmos
salvar o mundo de nós
eu gostaria de fazer um poema
que servisse para alguma coisa.

inevitavelmente você viaja
por um ou dez dias você
crava as garras no mapa
e me firo com as esporas
de uma vida sem salvação.

os amigos ainda falam
parecem todos que bom
mais lúcidos do que eu.

alguns acenam do outro
lado da rua no que surdo
meu coração estremece.

então a rua se arromba
nesse abismo intocável
violácea lembrança
de meus pulsos ruins.

eu preciso ouvir você
respirar no meu ouvido
e mesmo com sinusite
eu quero que você volte
para rachar meu crânio
com espadas de amor.

durmo e não transpiro
enquanto te imagino
amazona inquebrantável
arrastando com distância
meus planetas mortais.