19.12.06

“feminista”


a novíssima poesia
é toda feminina.
feita por mulheres
e algumas meninas
que parecem tratar
questões de sexo ou credo
como questões ultrapassadas.
e destilam um purê de sensações,
usam e abusam de cigarros e ângulos
e adoram a expressão quiçá.

seus aforismos gestuais,
suas sílabas de chás das cinco
esse jeito arrastado de identificar,
de escorrer olheiras pelas veias.

a novíssima poesia
de rir de ti mas ao teu lado,
feita de gestos entrevados,
feita dos mal-entendidos da morte
e da necessidade mortal de vida.
esses raios de placenta e rímel,
essas unhas em cores fortes –
e as conversas íntimas da carne.

ah, novíssima poesia!
poesia feminina...
o couro dos tempos
será teu leito.

Um comentário:

ju disse...

e aí tudo fica banal.
quiçá.
e "quiçás"
ficam sem gosto.