9.2.06

“o que eu não faço por você, Maria?”

Se tivesse que responder a alguém qual foi o meu melhor momento de prazer em toda a viajem pela Bahia, tanto dos santos como dos pobres diabos, não vou poder dizer que foi o pôr-do-sol com moqueca de peixe no Mercado Modelo, nem ver os filhos dos pescadores pulando das barras de ferro das docas para desaparecerem no mar noturno, ou a ginga salgada e calórica das negras de prata feitas da seiva bruta da Terra, nem poderei falar do anjo negro de gesso que ganhei de Oxossi, ou de um banco de areia no meio do oceano, muito menos do pobre cachorro manco que se sentou à minha sombra, ou da luta de um pescador com um peixe desse tanto! que explodiu seu anzol e levou sua vara, deixando-o com o chapéu de palha na mão arrasada pela linha enquanto eu via tudo de uma das rochas roncantes da praia de Itapuã. Se tivesse que responder a alguém qual foi o meu melhor momento de prazer em toda a viajem pela Bahia, não caberiam estátuas nem igrejas de ouro, comidas apimentadas ou um vento frio nos olhos quando é quase noite, nem mesmo o espirro de estrelas do Recôncavo ou a terra de Caetano, nem quando chorei ouvindo Raul Seixas tomando um water fire, tradução de cachaça no cardápio do quiosque da praia. Com toda sinceridade, teria que dizer que foi aquele dia em que uma menina belga chamada Maria, casada com o mais velho de 16 pescadores da Ilha de Itaparica, talvez o dia mais lindo da minha vida foi quando ela perguntou que tipo de instrumento eu tocava e eu disse a ela que não tocava nenhum instrumento mas ouvia alguns muito mal e ela se espantou com a minha revelação tão habitual e disse que não acreditava, que tá na cara você é um saxofonista, não... melhor... saxofonista não, você tem cara de trompetista... acertei?

Então tive que ser um trompetista por um ou dois dias, só para não decepcionar a Maria.

3 comentários:

Anônimo disse...

fala tchau antes de ficar offline ... valeu!

Hermeto disse...

O problema eh que querem ser guitarristas, baixistas, saxofonistas, pianistas, mas ninguem quer ser musico.

Anônimo disse...

leo, eu adoro quendo voce eh direto e lirico dessa forma que voce foi nesse texto. eu acho que isso diferencia voce de muita merda que existe por ai. nessas horas eu vejo que a sua exoeriencia eh sempre uma experiencia unica e particular. pra mim eh isso que te torna o escritor que voce eh e nao me venha mq dizer que voce nao eh escritor que eu vou mandar voce tomar no cu. esse texto esta simples direto e lindo. e eu te entendo meu irmao: fizeste a coisa certa em mentir para a maria. pra citar almodovar falando de caetano: ese leo me deja los pelos en punta.
pretti 2 (nao gostei dessa palhacada)