2.10.11

"pico"




estátuas de silêncio abutres iluminam nossos pulmões,
temos as pernas em chamas e, muitas vezes, torcemos
os joelhos para trás incrédulos; é assumir a carga de deus
e escorregar um pouco ralando braços, vermelho disforme
que dispara nossos desabamentos ladeira abaixo, diante
de uma fome um pouco mais estranha e a obsessiva ida
ao pico de nossas incertezas seguiremos e muitas vezes
olharemos para baixo e esperaremos a tal morte, talvez,
súbita morte que acompanha tão bem a sorte provisória
de ser pela primeira vez presa do que nos fez nascer assim.

3 comentários:

MC disse...

caramba, homem!

M.F. disse...

Sensacional. Ler teus posts me inspira.

Anônimo disse...

bonita foto