13.1.10

"declaração fulminante"

vemos o necessário apenas

e a escuridão total facilita.

digo baixinho, quase mudo,

coisinhas delicadas, choro,

e sei que você entende tudo,

porque não ouve nada: olha

babe, como te amo no escuro.

o amor só é possível assim.

6 comentários:

fernando rodrigues disse...

gostei desse jogo de uma delicadeza que se desfaz (babe)em simplicidade (olhe). esse realmente é o plano do belo mas, também, da auto-referência... é preciso ir além do meramente agradável... babemos!!!

fernando rodrigues disse...

digo, o plano da delicadeza é muito o plano do belo... e o ir além é flertar com o sublime... a magnitude que nos consome, que consome frequentemente o sentido mais imediato... cara, fiquei sabendo que o cogumelo atômico atinge 70 km de altura... meus interesses bizarros... mas é impressionante, é o sublime... umas visão magnânima que se revela e em seguida nos consome (churrasco, meu caro gaúcho)

peixe disse...

debaixo de um copo.

Brunno Leal disse...

linda poesia, nois remete a distintas interpretações, mas todas belas.
Parabéns!

Moniquinha disse...

Que coisa linda Leo... sem retoques.

Anônimo disse...

...cada vez mais lindo!