22.5.07

"evocação da santa magrinha"

ó minha santa
santo bandeira
a noite é cheia
a dor é manto!

minha santinha
que me deu vida
ó santa livre
dos cabarés.

és santa e mãe
ó pranto antigo
ó santa tísica
me dá tua mão.

senti tua falta
santa só minha
linda e sozinha
santa de grife
cheirai o pó.

e torna santa
nossa chacina
ó santa antiga
que do chão brota
antigo câncer.

dá-me guarita
ó santa puta
da boca roxa
anti-maria.

ó santaranha
dos moribundos
santa mundana
é tua a culpa!

3 comentários:

marilia disse...

Voltei aqui, gostei do poema. Sua colaboração para o Suicidas está Ok.
Já leu Campos de Carvalho ? Um leitor raro.
beijo

leonardo marona disse...

ótimo, marília. que bom que deu certo. me avisa da publicação. sim, adoro esse doido. o Gogol brasileiro. leitores são sempre raros. um beijo, apareça sempre.

natércia pontes disse...

alucicrazy, querido leo.