7.7.06

“poeta chinês”

esse negócio
de beber sozinho
depois do século oitavo
não tem mais graça nenhuma.

hoje raspei todos os cabelos
de cima da minha cabeça
enquanto lia seus
poemas.

te encontrei na livraria
parado como um rubi.

e agora estou
tomando um
vinho às tuas.
às nossas
estrelas e luas
e jades egípcios
e vias galácticas...

um brinde ao seu amor!

2 comentários:

Anônimo disse...

Gostei do brinde!

peixe disse...

paixão, vinho, amor,
sexo nas prateleiras.