7.7.06

"dois poemas para dois poetas"


“poeta russo”

andei
escrevendo
uns poemas
obscuros.

eles me
apanharam.

primeiro tentaram
me ameaçar com
panfletos.

depois me jogaram
atrás de grades
a pão e água.

depois me
escorraçaram.

esfregaram
na minha cara
meu próprio povo.
meus camaradas.

e então
finalmente
me mataram
com um tiro no peito
que dei pelo meu amor.
pelo desespero de perder a
ternura para sempre em meu peito.
e não pelo ódio com o qual
eles tentaram me acusar
enquanto eu punha
a bala no revólver
e o espelho me
fazia rir.

Um comentário:

peixe disse...

esses poemas são perigosos.

sindrome de baudelaire.