21.7.06

“o nó assassino da nossa sina”

todo solitário
no fundo se
considera
um artista.

todo solitário
– artista
ou santo –
é um tolo.

a solidão
não passa
de lembrança
inventada.

só os gênios
perduram
mais tempo
que a sua
tortura.

2 comentários:

luiz disse...

porra, sem palavras!!! o de cima eu também gostei muito. falando sério. não sério a ponto de ser babaca, mas sério. esse comentário tá muito estranho. acho que a solidão deve ter me deixado nesse estado nonsense. será que eu sou um artista? caralho que merda. estava lendo hoje o gláuber falar do jean-luc godard. o ritmo da prosa do gláuber é alucinante e a lucidez com a qual ele vê as coisas assustadora. porque será que neguinho achava que ele tava louco. acho o contrário. não queria dizer isso, mas já estou com saudades.

leonardo marona disse...

saudades provam que a gente não é louco. vc já viu que tipo de gente falava isso do Glauber? é perfeitamente natural que falassem.

hasta cabron.