11.7.06

“da loucura noturna de todos nós”

amarelo de febre – louco
meio-terno, meio-morto
distante, solitário
iluminado, seco
incendiário
esgotado
total.

hoje à noite
me sinto
perdido
na luz.

mas isso não
me causa mal.

por que se assim
acontece comigo

é também assim
que acontece
com o sol.

2 comentários:

Ju disse...

Estava relendo O Livro Desassossego, do Pessoa, e encontrei uma parte que me lembrou vc: "Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. Faço férias das sensações."
Bjo. Ju.

peixe disse...

pelamordedeus quem é você? *_*