28.4.06

“metamorfina”

agora que invento teus olhos
agora que sei que és de outro
penso: sendo assim és minha
porque eu sou outro em mim.

agora sou não doente de sim
escorado em planos secretos
concretizados na perspectiva
da tua foto sobre a cabeceira.

agora a hora agoura a agonia
outro em mim tão eu sozinho
acomodou tua falta no escuro.

sinto que perdi meu rastro em ti
indo levaste o outro que em mim
sendo teu não, conhecia meu sim.

Um comentário:

J.H. disse...

Cheguei por aqui,por acaso.Grande fã que sou de Ezra e procurando uma tradução.Encontrei alem disso,outro poeta.

Gostei muito.

Moderno,Moderno,Moderno!!!E esse final glorioso.'Sendo teu nao,conhecia meu sim' remete ao bom e velho Toquinho 'o sim é o descuido no nao'.

Me tornarei assíduo leitor.

E de onde és amigo?Brasil?Portugal?