2.3.06

"Sonho e Precipício"

teus olhos pela metade enquanto
imagino deitado o que eles vêem
ao teu lado sobre a cama desfeita
e tu tão tudo que não sei de mim
e muito provavelmente satisfeita
bem distante dos olhos por causa
dos socos e chutes no meu flanco
portanto
me levanto
e vejo uma foto minha de rosto pintado
chorando sozinho sem a parte de baixo
de uma fantasia descolorida de palhaço
e quando volto
ali está você de pé
toda minha e nua da cintura até a nuca
com um copo de iogurte e mel na mão
e na vitrola ouço um homem de cartola
dizer sobre moinhos
esquinas
abismos
sonhos
e então percebo que estou num labirinto
onde não há esquinas – apenas moinhos
todos prestes a me triturar sem piedade
quando vejo que teus olhos pela metade
eram ao mesmo tempo meu sonho
e o meu precipício.

Um comentário:

Mary disse...

o que dizer diante dessa tristeza?