17.5.09


"Nós artistas somos indestrutíveis. Mesmo numa prisão, ou num campo de concentração, eu serei Todo Poderoso em meu próprio mundo de arte, até mesmo se eu tivesse que pintar meus quadros com a língua sobre o chão empoeirado da minha cela".


(Pablo Picasso, 1949)


3 comentários:

Cris Fagundes disse...

Engraçado como lamber o chão de uma cela empoeirada pode ser positivo...
Muito bom.
Beijundas.

Flávio Corrêa de Mello disse...

Olá Marona,
Fiquei um tempão sem internet. Há alguns dias vi que vc. publicou um poema meu por aqui. Bacana mesmo e obrigado, mas quem merece os parabéns é você, camarada. Que livro hein! Li uns poemas lá na livraria e gostei demais. Na verdade, há tempos que eu não tinha uma identificação poética tão boa na poesia. Fiquei com a sensação de que há uma sintonia na maneira de escrevermos. Tá decidido, vou escrever sobre o pequenas biografias não autorizadas. Antes vou finalizar um post sobre as traduções do Jorge Wanderley e em seguida ataco teus poemas e vamos ver se publicamos isso em algum lugar.
Cara, me manda um email aí para ver se marcamos algo, um bate-papo.
abração, força e parabéns again.

meu ego disse...

oi leo, aqui é letícia de porto alegre, tudo bom? não terminei de ler o teu livro, mas gostei das coisas que li até agora. gostei também da dedicatória. quanto ao picasso... bastante por ele que entrei nessa!
beijo pra ti, nos falamos!